Descoberta de geólogo israelense reacende o debate sobre ossos de Jesus

Enquanto a Igreja vive uma crise, até mesmo geólogos tentam desmoralizá-la.

Tomb Talpiot 655x477

Veiculamos abaixo, um texto do La Nacion, onde o geólogo Aryeh Shimron diz afirmar ter encontrado o túmulo de Jesus e sua Família:

Depois de sete anos de pesquisa, Aryeh Shimron disse que confirmou a relação entre os ossários que supostamente pertencem à família de Jesus de Nazaré.

O debate que foi instalado na última década sobre a autenticidade dos ossos que eram supostamente de Jesus e de sua família, ressurgiram devido a suposta ligação entre dois achados em Jerusalém que puseram em dúvida a ressurreição de Jesus, diz The New York Times.

Um geólogo israelense voltou a falar dos dois objetos que levantaram a disputa. Um deles é um ossário (caixa enterro para os ossos) com a seguinte inscrição em aramaico: “Tiago, filho de José, irmão de Jesus”, que um colecionador israelense disse ter comprado de um antiquário na Jerusalém Oriental, no início de 1970. Mais de dez anos atrás, a Autoridade de Antiguidades de Israel declarou o trecho “irmão de Jesus” como falso e apresentou acusações contra o colecionador. Um tribunal de Jerusalém decidiu em 2012 que o Estado não tinha conseguido provar o seu caso.

O segundo objeto é um túmulo descoberto em um canteiro de obras no bairro Talpiot, leste de Jerusalém em 1980, que é o centro do documentário The Lost Tomb of Jesus, de 2007. O filme foi produzido por James Cameron (Titanic) e escrito Simcha Jacobovici, um cineasta israelense que vive em Toronto.

O túmulo, conhecido como “túmulo de Talpiot” – continha 10 ossários, alguns com inscrições que foram interpretadas como “Jesus filho de José”, “Maria” e outros nomes associados a figuras do Novo Testamento. Isso levou Jacobovici a afirmar que este provavelmente era o túmulo da família de Jesus. A idéia foi imediatamente rejeitada por especialistas, que disseram que esses nomes eram comuns na época, e acusaram o diretor de querer promover seu filme.

Anos mais tarde, o geólogo Aryeh Shimron disse ter confirmado esta hipótese através da identificação de uma coincidência bioquímica bem definidas entre as amostras obtidas nos ossários da tumba de Talpiot e no ossário de Tiago.

Quando os ossários de Talpiot foram descobertos, estavam cobertos por uma espessa camada de solo do tipo rendzina, que é característica das colinas da Jerusalém Oriental e era apenas possível realizar identificações bioquímicas nos ossários enterrados abaixo dessa camada.

“Eu acho que tenho uma evidência muito poderosa, quase inequívoca de que o ossário de Tiago passou a maior parte de sua vida, ou na hora da morte, na tumba de Talpiot”, disse Shimron antes de apresentar as conclusões do seu relatório .

O geólogo baseou sua pesquisa sobre a teoria de que um terremoto que abalou Jerusalém em 363 inundou o túmulo de Talpiot com terra e lama, movendo sua pedra de acesso e, excepcionalmente, cubrindo os ossários completamente.


“A terra criou um vácuo. A composição do túmulo foi simplesmente congelada no tempo”, afirmou.

Shimron ficou sete anos estudando amostras químicas recolhidas do fundo dos ossários de Talpiot, e mais recentemente, do ossário de Tiago. Ele também estudou amostras de solo e resíduos. Além disso, para comparação, foram examinadas amostras de certa de outras 15 sepulturas.

De acordo com ele, as amostras deixaram claro que o ossário de Tiago e o de outros que estavam na tumba de Talpiot eram do mesmo grupo bioquímico. “Uma evidência maior do que eu esperava”, disse ele.

Sua obra é financiada pela “produção” de um novo filme de Jacobovici, de acordo com o cineasta.

Enquanto isso, a tumba de Talpiot é selada e armazenada sob uma laje de concreto em um pátio entre os prédios de Talpiot, ao leste, e seus ossários estão sob a custódia da Autoridade de Antiguidades de Israel. O ossário de Tiago, por sua vez, está nas mão de seu dono, o colecionador Oded Golan, que vive em Tel Aviv e mantém a caixa em um lugar secreto.

Assim ficarão estas relíquias enquanto a Não siga estas relíquias Enquanto não acabar a discussão sobre sua verdadeira origem …

Texto original: http://www.lanacion.com.ar/1782300-el-descubrimiento-de-un-geologo-israeli-reavivan-el-debate-por-los-huesos-de-jesus

Tradução: Tradição Católica